domingo, 16 de dezembro de 2012

Queria quebrar a sua cabeça...

Aproveitando o embalo do fim do mundo, vou deixar aqui o que preciso dizer antes que essa semana acabe...

Você já teve um quebra-cabeça? Acredito que todos nós já tivemos um... Vou te contar a história do meu quebra-cabeça.

Quando era mais nova, achava que ele era simples e completo... me divertia muito com ele e por mais que alguma coisa desse errado, sempre tinha uma pecinha que encaixava.

Daí cresci achando que o meu quebra-cabeça era o melhor do mundo! E ele realmente parecia ser.

Um belo, ou não tão belo, dia, fui surpreendida com uma novidade. Faltava uma peça chave do meu quebra-cabeça. Uma peça que eu sempre achei que estivesse ali.... mas nunca esteve. Passei minha vida toda montando o meu querido quebra-cabeça de maneira errada! Mas a culpa desse erro não foi minha, me ensinaram a montá-lo errado. O grande problema foi que cresci e aprendi o jeito certo de montar... e isso foi criando muitos outros problemas...

Decidi ver meu quebra-cabeça de longe, fora do lugar que ele sempre esteve. E vi que ele, talvez, nunca tenha sido perfeito. Reconheço que na vida nada é perfeito de verdade... mas existem imperfeições que não podemos tolerar. Essas eram as imperfeições do meu quebra-cabeça... as que queremos bem longe da gente.

Meu quebra-cabeça tinha dois lados e eu tinha passado a vida toda achando que só tinha um. O lado bonitinho, o que eu montava,  era um desenho bem simples mas bem convincente. O outro lado era um pouco atordoante e macabro. Como podia o mesmo quebra-cabeça ser tão inocente e tão sombrio? 

Pensei então em ir em busca da peça que faltava. Soube que não havia jeito de adquirir essa peça, já que  ela veio faltando da fábrica... se me dessem essa peça, faltaria de algum outro. Ao invés de me prender ao que sempre tive, resolvi arrumar um novo quebra-cabeça para chamar de meu. Joguei fora o velho e desejei esquecer que um dia já o tinha montado. 

A verdade é que não foi possível esquecer... sentia muita raiva por ter sido enganada por tanto tempo. Aquele maldito quebra-cabeça me fez perder muitas manhãs e tardes e noites e dias e férias e Natais e Reveillons e aniversários e minha vida toda ao lado dele. É claro que tive momentos felizes mas eram mentiras! A peça que faltava fazia eu ver o quebra-cabeça de uma forma que ele não era de verdade! E isso me irritou profundamente. De uma hora para outra perdi o único bem que possuía e por um bom tempo me senti destruída. Mas o sol sempre nasce e nos ajuda levantar, mesmo que sem muita coragem, tive que encarar que não dava mais para viver como vivia antes. Não iria aceitar nem por mais um dia toda aquela farsa. E foi o que fiz.

Ainda estou procurando um novo quebra-cabeça. O que sei é que o meu velho não quero de volta, apesar dele viver batendo na minha porta. Não quero mais montar uma mentira e me alegrar com ela. Não quero passar o dia rindo e a noite chorando para compensar. Não quero fofoca, intriga, falsidade e falta de caráter me rodeando. A vida é feita de escolhas e eu escolhi não ter mais por perto o que não é totalmente real. Só isso. 

Quanto ao meu jeito de ser vou contar a vocês: quando não faço questão de uma coisa, não faço questão de ser educada com essa coisa. Minha educação eu gasto com quem merece. Não vou desperdiçar meus sorrisos e gentilezas quando na verdade não quero nem olhar. Sou fiel a minha sinceridade e a mim mesma. Me respeito e ajo de acordo com o que eu acredito. E eu acredito que vocês precisam ser mais sinceros com vocês mesmos... parem de agir como se fossem os coitados, injustiçados. Nós sabemos bem quem é quem nessa história.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Uma partida de futebol

Preciso dessa convivência para saber o que está acontecendo. Não tenho certeza de nada e acabo embolando meu meio de campo. Estou esperando que o juiz dessa partida me expulse pelas minhas inúmeras faltas, mas parece que isso vai demorar. Não há marcação que me segure. Passo longe da banheira, é na frente do gol que dá para perceber o tamanho da nossa mediocridade.

De repente, percebo que o que eu mais queria era não ter saído do banco e quando lembro que é do banco que saem as substituições, desejo loucamente a arquibancada: o anonimato do público.

Juntando minha voz a voz da multidão, poderia rir e chorar sem grandes julgamentos, vibrar e sofrer sem culpa e medo. O lado de lá é mais confortável, basta escolher para qual time torcer.

Acordei dos meus pensamentos e a bola estava no meu pé. Tive a chance de fazer o gol, mas preferi jogar essa oportunidade fora, bem longe do esperado. A bola se foi e eu ouvi vaias e insultos. Não me queriam mais ali, mas ninguém me tirou de lá. Fiquei. Mais 20 minutos de agonia até que a bola voltou para os meus pés. Não queria decepcionar todas aquelas pessoas... Fui com tudo, resolvi não me decepcionar.

Fiz o gol que tanto sonhava... contra.

Fui, mais uma vez, vaiada e alguns companheiros de time tentaram me agredir. Fui tirada dali pela polícia, escoltada até o vestiário, me troquei e encerrei minha carreira feliz, ciente de que preciso me agradar primeiro para depois, se for possível, agradar os outros.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Procurando Ninguém

Depois de mergulhar no Mar Vermelho resolvi fazer algo diferente. Decidi me colocar de frente com minhas escolhas, mas não com as que fiz, com as que deixei de lado. Percebi o quão passiva sou com a minha vida. Não me levo a sério. Deixei que as pessoas me  moldassem durante muito tempo e agora  consigo perceber as marcas que isso me trouxe.

Eles nunca assumirão os brasões que me queimaram, por um lado sinto raiva de cada um por ter me tornado um pouco pior, mas se exercitar minha honestidade posso perceber que eu me deixei queimar. Fui eu quem passou o tempo todo expondo meu corpo e implorando para que me dessem algo.

Já é tempo de deixar as mazelas de lado. Ninguém vai assumir as minhas marcas. Ninguém vai chorar minhas lágrimas. (Já falei sobre isso aqui no blog... talvez até com essas mesmas palavras...)

Claro que escrever sobre isso é bem mais fácil do que colocar toda essa abstração em prática. Só não posso me dar por vencida mais uma vez.

Me escute: Não será mais difícil do que tudo que você tem sentido nos últimos tempos. Se permita ir mais fundo nesse mar, se nada der certo, não se preocupe, as ondas vão e vem e vem e vão sempre... Seja mais você!

Seja você apesar do outro, dos olhares, julgamentos, expectativas. Quem é você? Você sabe?

Pensando em mim, pensei no tanto que é fútil  estar sempre pensando no meu corpo, suas medidas, roupas, espinhas, unha, cabelo, peso...

Mas aí me lembrei do tanto que neguei tudo isso durante a minha vida. Nunca me aceitei. Fui sempre a mais gordinha, do dente separado, desengonçada, com o cabelo escorrido, olhos pequenos, queixo redondo, perna gorda, canela grossa, bração...

Absorvi isso durante anos e fiz disso minha verdade absoluta. Assim como sempre me considerei a bruxa, feia, cruel, sem educação, arrogante e infeliz.

Não posso viver mais 24 anos assim.

Passou da hora de dar um basta nisso tudo. Preciso comprar um espelho novo e começar do zero. Descartar tudo que sei sobre mim e deixar vir de dentro só o que não foi contaminado. 

(Quero deixar bem claro que, quem se deixou ferir e contaminar fui eu. Não, necessariamente, essa era a intenção de quem estava comigo. Muitas vezes uma coisa interpretada de maneira errada fica guardada e quem disse ou fez, nunca saberá que marcou tanto o outro.)

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Medianeiras

Se, para você, o meu cantor favorito diz muito sobre mim, devo lhe dizer que saber tudo que você não ouve, me faz te ver melhor. De todos os filmes que você gosta, nenhum poderá denunciar tão bem seu modo de ver a vida como aqueles que você desconsidera. De tudo que tenho dentro de mim, só o que me falta é que tenho certeza.

Dizem que abrir a janela é o segredo para viver melhor a vida. Eu costumo fechar portas. Entre subir pela escada ou elevador, eu fico com o permanecer no térreo. Não sei bem se estas escolhas são feitas conscientes ou inconscientes. Minha fobia aparece só de pensar que as possibilidades não cabem na palma da mão.

Se, ao procurar Wally só encontro João, Maria ou Tião, logo resolvo fechar o livro e me perder também...

Tem uma música que diz que "nada é por acaso e nem precisa ter razão", o sentido das coisas se dá ao não procurarmos sentido para elas.

Se eu soubesse o quanto podem gostar de mim, não teria motivos para me esconder. Assim como você também se esconde por medo de não agradar. Por mais que tenhamos uma cama quentinha, tem dias que o frio que nos congela não está externo ao cobertor.

Se ainda insistimos em ligar, mandar mensagem, email, recado (e tudo que a tecnologia nos possibilita) é porque ainda nos importamos e preocupamos e desorientamos com as respostas e/ou falta delas. Mas, será mesmo que as queremos ouvir?

Percebo em mim o seu espanto, espanto em mim seus receios, receio em mim seus encantos, encanto em ti meus preconceitos.

O mundo ainda gira, o sol ainda nasce e a lua ainda enfeita o céu. Até quando ficaremos presos nas mesquinharias de provar quem somos para quem não quer nos ver? Por que ainda iremos esperar o telefone tocar se, na verdade, esse é só mais um mecanismo para nos decepcionar?

Não estou tão certa de que o céu é o limite...

sábado, 17 de novembro de 2012

Pra não dizer que não falei das flores

Depois de algum tempo, as coisas vão aos poucos sendo esclarecidas...
Não vou dizer que já sei as respostas que tanto procurava mas, quero deixar registrado aqui esse momento. A chance de eu voltar aos velhos pensamentos é grande... porém não vou me prender nisso agora.

Ao longo deste ano tentei resgatar as partes boas do que eu era e deletar o que há de ruim em mim, logicamente eu não consegui. Não é simples.

Mas quer saber!? Melhor assim, pude perceber o tanto que sou ingênua ás vezes... é muita falta de maldade achar que se pode mudar uma vida inteira em um ano.

O melhor de tudo é saber que daqui a pouco terei mais 365 dias para resolver novas pendências... e vou me dar o luxo de deixar tralhas inacabadas ou mal acabadas aqui em 2012. Não é recalque não... só cansei.

Muita água passou por baixo da minha ponte desde janeiro... águas lamacentas e poluídas contaminaram as puras, no meio do caminho, uma estação de tratamento deu um "up" na situação desse rio e, quando me dei por mim, novembro abriu suas portas e trancou tudo lá fora...

Doce Novembro! Esse que vem vagarosamente atualizando os velhos programas e instalando os lançamentos do momento... é muito aplicativo novo para uma máquina velha. Daí a necessidade urgente de uma formatação, não cabem mais aqueles arquivos antigos aqui. Vou fazer um backup só para evitar casos de arrependimentos futuros, duvido que vou precisar deles algum dia, mas... 

Se ainda não entendeu o que estou tentando dizer, não tem problema. Dezembro há de confirmar as prioridades do próximo ano. Só não venha me dizer que não avisei...

Feliz 2013 pra você também!

domingo, 4 de novembro de 2012

Mar Morto

Foi quando eu falei: 
Daí veio todas as forças que tinham ido embora. Coloquei uma ideia na cabeça e um a estratégia no papel. 
Chegou a hora. Não dá mais para esperar.
Não sei se dá para ser sutil nessas horas. Nunca vi ninguém chutar o balde educadamente.
Agora vou esperar meu nível de coragem subir para dar o primeiro passo...
Hoje percebo o quanto é prejudicial você não viver as fases da sua vida no momento certo. Saí pulando um monte de coisa e agora me sinto uma retardada. Totalmente jogada num tempo que já se foi, esperando por coisas que não aconteceram antes e que não fazem mais sentido, mas que quero muito. Queria mais ainda que fosse possível fazer o tempo voltar. E ligar cada pedacinho do passado que ficou solto no ar. Tantas cenas para serem regravadas que já penso em novos personagens e cenários...
Ainda não sei se isso tiraria de mim o que me faz ser eu.
No fundo acho que me perdi em meio às regras e padrões que a sociedade impõe.
Se em todos os dias de sol eu acordasse de bom humor e nos dias de chuva tivesse algo para comemorar, eu seria mais feliz. Se eu dormisse pelo menos até às 9h todos os dias e se as noites não tivessem hora para acabar, acho que sorriria bem mais.
Ouço de longe tudo que me enfurece. Os elogios soam tão baixos que mal chegam aos ouvidos.
A facilidade de ver as coisas dando errado chega a ser irritante. O que dá certo passa tão rápido que logo vira outro erro.
Vamos por partes: primeiro preciso de um balde, depois de um impulso para chutá-lo... depois do chute, precisarei de pernas para correr para bem longe. Se tudo der certo, me fixarei no longe, se não der, volto com o rabo entre as pernas. Volto para o mar morto e enterro de vez minhas esperanças.

domingo, 21 de outubro de 2012

Fé em Deus


É verdade! Eu nunca me desliguei disso tudo. Nunca perdoarei quem fez da nossa vida essa mentira. Minhas lembranças são todas falsas histórias felizes... Tudo o que vivemos não era o que parecia ser... (e eu que achava que só nas novelas existia tanta maldade familiar...me enganei!) Além daquilo que todos sabem, perdi também meu chão, minha educação e a vontade de viver. Não quero mais ter que ver isso se repetindo. Não quero, não preciso e não vou! O problema é que sou obrigada e ver e escutar vez ou outra fantasmas que estão mais vivos do que eu. A ordem da vida foi invertida: os fantasmas vivem e os que deveriam estar vivos só morrem... Eu a cada dia que passa morro bem mais do que deveria. A esperança toda já se foi, a alegria está no seu mais baixo nível e toda aquela vontade de fazer do mundo um lugar melhor, sumiu. Em mim, encontro dor, toda dor do mundo... Queria dormir e não acordar mais... Sou só tristeza e amargura. Tiraram de mim o que me fazia brilhar e depois de muitos anos procurando, descobri que isso que me roubaram não vende em loja nenhuma. Acabei descobrindo que tudo o que quero não se acha nesse mundo. Por isso quero tanto ir embora. Essa história de que no fim dá tudo certo, eu não acredito mais... é impossível que coisas tão ruins possam ser apagadas ou reconciliadas para que vivamos o "Felizes Para Sempre". Já ultrapassei todas as fases: otimista, pessimista e realista... Pensei em entrar na suícida mas sou muito careta e medrosa para tal... então vivo aqui minha fase infeliz e sem grandes expectativas. Duvido muito que conseguirei emagrecer o tanto que quero, pagar todas as minhas dívidas e dizer tudo o que está calado para certas pessoas. Então, espero que a morte me encontre de forma brusca e repentina, para que eu vá sem sofrer nem chorar mais.


Ir além

Tenho aqui guardado um abraço daqueles demorados para dar, dias e mais dias de conversas sobre o nada e discussões sobre política, futebol e religião... Tenho convites ilimitados para ir ao cinema, comer batata frita e tomar sorvete. Tenho também um pouquinho de tempo para rir, escutar e, se for preciso, chorar...

Não é muito o que tenho a oferecer, eu sei. Mas quem sabe se me der um pouquinho do que tem, depois eu devolvo em dobro?

Sei bem das tantas diferenças que nos distanciam, mas não é sempre assim, pois sei também que temos muitas semelhanças que, por vezes, tentamos esconder.

É engraçado como as coisas funcionam. Tudo que tento fugir fica aparecendo nas músicas, filmes e novelas que vejo. 

Tem coisas que me irritam profundamente mas que perdoo facilmente dependendo de onde vem a provocação. Tem coisas que pouco me importam mas que elevam meu sangue de uma hora para outra quando vem de quem não deveria vir.

Ah! Só queria curar esse monte de imperfeições que me rodeiam (e me odeiam)...

Ainda preciso aprender que o que eu gostaria que fosse nem sempre será. E que se eu não me permitir ser livre, ninguém mais nesse mundo permitirá!

Eu Vulcão

Não consigo ouvir música nenhuma sem lembrar... os filmes me levam sempre ao mesmo pensamento. Ainda não sei se posso chamar isso tudo que sinto de arrependimento. 

Ouvi dizer que destino não existe... isso é assustador! Se sou plenamente responsável pela minha vida e meu futuro, quer dizer que a culpa de tudo que deu e ainda dá errado é minha.

Já faz tempos que estou tentando descobrir que caminho foi esse que escolhi. Achava que não tinha tido escolha, mas se meu destino é exclusivamente consequência das minhas atitudes, alguma coisa eu fiz (ou deixei de fazer).

O problema é que sempre me senti como me sinto hoje: presa numa coisa que eu não sei o que é.

Até quando esse monstro vai morar dentro de mim?

Perdi as contas de quantas vezes tentei mudar tudo. O que sei é que nunca deu certo.

Sinceramente não sei se é realmente possível viver uma vida diferente da que tenho levado desde sempre...

sábado, 20 de outubro de 2012

Escória

Não escolhi viver no lixo. É o lixo que me escolhe a cada dia... por mais que corra dele, tem sempre uma cilada a me esperar.

Não vejo saídas.

Tem dias que já acordo com a revolta entalada na minha garganta, tem dias que acordo esperançosa... mas ao dormir percebo que a esperança já não está comigo.

Dormir... nem sei se é bem isso que tenho feito. Se durmo e sonho que estou trabalhando, isso conta como hora extra?

Continuo querendo sumir no mundo e fugir de mim mesma... não tenho coragem...

Queria ter força suficiente para mudar tudo isso.

Ainda não tenho!

Quem ou qual será o impulso que vai me elevar ao cargo de ser gente?

Rastejar e viver na lama não têm me ajudado em absolutamente NADA!

Até quando vou continuar camuflando tudo isso que tenho aqui dentro?

Todos os dias despejo ali o que tenho no coração. Restos do que eu nunca fui. Partes do que nunca serei. E novidades que escondi até ficarem velhas.

Sabe o que me sobrou? Só eu. Sem nenhum enfeite. O nu e cru mais desesperador de todos os tempos.

Já cansada e destruída, ainda sou obrigada a conviver com o que conheço de pior: eu mesma.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Quem somos nós?

Inúmeras vezes nossa vida se confunde com o mundo. Tomamos Coca Cola, vestimos Vide Bula, calçamos Adidas... Todos os dias somos engolidos pela mídia e aceitamos isso sem falar nada. Por que?

Ao invés de comermos o que é mais gostoso e vestir o que é mais confortável, seguimos como cordeirinhos das grandes marcas. Com investimentos indecentes em propagandas de todos os tipos (televisão, rádio, cinema, outdoor, e os famosos desfilando por aí...), eles nos convencem de que pagar bem mais caro vale apena e te faz ser parte da sociedade.

Se a gente conseguir entender que ser bonito nem sempre é ter um corpo sarado e que cuspir dinheiro para todo lado não é a solução para tudo, talvez, futuramente seremos um pouco mais felizes.

Ter dinheiro, conforto e usar roupas legais é muito bom, mas virar uma propaganda andante, ser refém de alguma ou algumas marcas não vale a pena. Pra quê investir tanto no que está por fora, se por dentro é tudo oco? Para compensar o vazio? 

Que a gente apenda todos os dias a conquistar os outros pelo que somos e não pelo que temos.

(Texto escrito em 08/05/2007)

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Posso voltar a ser eu?

Sei bem que costumo viajar... vou tão longe que, ás vezes, me perco no caminho de volta.

Li essa frase Rousseau que muito me fez pensar: "Só entende o valor do silêncio quem tem necessidade de calar para não ferir alguém."

Tenho calado meu eu muitas vezes p/entender pessoas que são importantes p/mim... e percebo que não consigo ser eu quando me calo. Porque cedo ou tarde tudo sai gritado.

Essa semana me deparei mais de uma vez com o mesmo problema. O problema que eu achava que só os outros tinham.  E vendo esse curta consegui entender o que anda me atormentando: ninguém vai ver o mundo como eu vejo.

Quanto mais eu tento me aproximar do que esperam de mim, mais eu me decepciono e bem mais eu decepciono os que me rodeiam.

É tentando agradar que eu magoo, machuco e ofendo sem pudor algum. É tentando me esconder ou me conter que eu apareço com evidência.

Não estou errada em tudo. Só estou percebendo as coisas de maneira diferente dos demais. 

Ser diferente não necessariamente é ser errada. Ser diferente, ver diferente, pensar diferente não precisa me afastar das pessoas. O que acontece é que, quando os outros pensam estar me compreendendo e me tolerando e me perdoando e me dando novas chances e etc etc etc... eu também estou pensando isso deles, só não falo. E por não falar parece que eu é que estive avessa, contrária, errada o tempo todo.

Daí, exercito com muita dificuldade meu silêncio, e como toda restrição nos aflige, quando vou sair da dieta, me empanturro. Vou com tudo, o prato que deveria ser apenas o do dia, vira  cardápio do mês, do ano, da vida...

Sem encontrar espaço suficiente no mundo real, vim parar aqui no virtual.

Esse é meu lugar de falar. E de falar sem pensar. E de ser eu sem pensar no que esperam de mim.

Vou sempre achar que tenho razão pelo simples motivo de que eu sou eu! E eu só consigo pensar como eu mesma! Até consigo entender uma coisa ou outra mas a certa da minha história tem que ser eu, e caso na minha história, eu  pense que estou errada, aí sim devo me desculpar. Porque eu consegui ver meu erro. Se você viu meu erro me fale, mas também se esforce para ver se não tem nenhum erro em você.

Não sou santa nem finjo que sou. Mas é muito chato sempre ficar nas entrelinhas que você é a parte ridícula da história. 

E pode parecer indireta esse texto, mas é meu protesto! Minha única forma de falar sem ser interrompida e de ficar aliviada por ter falado exatamente o que está aqui dentro. Sei que posso e devo e vou falar de verdade, no cara a cara mas esse é MEU ESPAÇO, MINHA TERAPIA, MEU DIÁRIO, MINHA VIDA!

Não é uma afronta.

Quero ter o direito de me cansar e não ser taxada de imatura. Quero poder "mandar a real" sem receios.

Quero expressar o que sinto sem passar por nenhum filtro. E não dar satisfações quando não achar necessário. Quero não ter medo de perder quem eu gosto se eu estiver sendo sincera. Se estou me policiando tanto, tem algum problema. Não quero que gostem de mim só enquanto estou na fôrma. Você já pensou nisso? Gosta de mim ou gosta que eu seja do jeito que você quer?

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Fugas e dependências

Tenho alguns objetivos nessa vida e sonho em realizá-los, mas a verdade é que sou muito lenta e preguiçosa para colocar tudo em prática.

Estou sempre precisando de um "empurrãozinho" ou de uma "mãozinha" para me ajudar.

Sinto dificuldade para finalizar as coisas que começo e tem coisas que nem chego a começar...

Tenho um sentimento constante de estar no fundo do poço, no zero. Ainda não sei se existe alguma coisa em que sou boa mesmo. Sempre vejo pessoas muito melhores e isso, quase sempre, ao invés de me despertar um desejo de progredir, me paralisa. Quando me comparo a mim mesma, percebo que estou regredindo.

Estou sentindo falta de um eu que eu nunca fui. Acho que estou fugindo de mim mais uma vez. Mas dessa vez tenho um plano, bolei uma armadilha e sei que vou cair. Já está quase tudo pronto para que o meu encontro comigo aconteça. Quero ficar cara a cara com quem está sempre por perto mas nunca muito próxima. Vou esclarecer essa relação e colocar cada coisa no seu devido lugar.

Cansei dessa sabotagem contínua. Me darei três meses para que as respostas comecem a aparecer.

Esse negócio de fugir vai ficar para trás. Fugirei da minha necessidade de fugir. E esse vício de viver dependendo de algo será tratado e exterminado. Dependência daqui pra frente, só se for de ser livre.

domingo, 16 de setembro de 2012

Bola na área


Já sabia que poderia acontecer, sabia também que ia doer... e dói mesmo!
Não gosto de dar o braço a torcer e tal, mas dessa vez é diferente.
Só quero saber quanto tempo levarei para me recuperar... se é que vou me recuperar... parece exagero mas nem é tanto assim. Era para dar certo.
Apesar de gostar de dramas, não queria que fosse assim agora. Tinha pensado em alegrias... Terei que esperar mais um pouco...
Confesso que poderia ser bem pior, o problema é que estava me preparando pro bem melhor!
Nunca acerto minhas previsões...
Voltarei pra torcida agora... talvez troque de time... Não faz muito o meu tipo ser vira folha, mas nesse momento seria bom.
No fundo, tudo isso é uma burrice. É só focar no plano B... como? Nunca tive nem o Plano A...
Vou seguir em frente... foi sempre assim e continuará sendo. Tudo no seu lugar.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Frase!

Essa semana ouvi essa frase e achei que ela combina muito bem com o blog:

"Mais forte que o desejo de gostar, prevalecia o medo de sofrer..."

(Bartolomeu Campos de Queirós)

Dispensa qualquer comentário!

domingo, 9 de setembro de 2012

Você vem?

Descobri como mudar isso tudo! 
Daqui um tempinho estarei com aquela saudade gostosa
de quem não voltaria mais atrás. 
Vou sentir medo. 
Se isso for um erro, é só voltar!
Será um risco mais que necessário.
Queria ter um pouquinho mais de coragem
para matar dois coelhos de uma vez... 
Seria perfeito! 
Não consigo pensar em nenhum ponto negativo nessa ideia...
Depende só de mim agora!
Nem Vegas, nem NY, nem Rio, nem a Bahia,
nem o Caribe, nem Buenos Aires, Europa...
Lugar nenhum terá o mesmo prazer de estar ali.
Já arregacei as mangas! 
Só começar a caminhar agora!

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

(Re) Início

Acho que achei a solução! Hei de resolver essa situação! Não vou ficar pensando no que irão pensar... Vou agir dessa vez, em vez de sonhar. Olha aqui, se  for para ser, será. Sinceramente, acho que preciso disso. Viver o sonho encantado. Ter a coragem de me libertar! E, consequentemente, me prender à minha real escolha. Sim, estou escolhendo. É isso que quero!
Estou me preparando, se prepare também. Sem meias palavras: sim ou não. (Vá pelo coração!)  Estou chegando... Pense bem!

terça-feira, 4 de setembro de 2012

EL extraño

Vejo os mesmos olhos famintos de esperança, sorriso cínico e alegria artificial. Racionalmente falando, é distante e improvável, mas sempre foi e nem por isso foi impossível. 

Lá no fundo ainda vejo beleza nisso tudo, um pouco de saudade e carinho também. 

Tem dias em que as lembranças aparecem de todos os lados e tem dias em que me obrigo a lembrar... me faz bem, me faz sentir que ainda posso ter um "final feliz", me faz achar que pode dar certo mais uma vez. Ou me faz viver o contrário das alegrias, me leva a arrependimentos insinceros, capciosos, nostálgicos...

Treino falas, simulo discussões, ensaio a vida que queria ter na esperança de que ela venha a galope num cavalo de pelo brilhante. Queria milhões de palavras, um lugar sossegado e tempo livre para um diálogo aberto, um sorriso sincero e um sentimento recíproco. Queria por um fim no meu mundo imaginário e me desprender de tudo o que não é real. Ou não..

Pra quê viver o sonho? Pra sonhar com a realidade? 

Quero mais é andar por aí sem rumo nem conta para pagar. Sem me explicar nem me preocupar.

Tanta gente que eu mal conheço e outras que simplesmente desconheço, com um monte de rostos e corpos e dentes e olhos que me procuram e me acham e me descobrem sem que eu queira e/ou  perceba. 
Parem de tentar me decifrar, não sou código nem charada! Sou só alguém que não sabe direito quem é nem o que quer. E nisso não há nada...

Me pego pensando em perguntas corriqueiras e comuns ao cotidiano que a sobriedade dos dias mal dormidos mostra que não sei responder. Queria saber ou pelo menos poder perguntar. 

Quando foi que se estabeleceu tamanho desencontro em minha vida?

No fundo, só torço pro meu pessimismo quebrar a cara e se chocar com a realidade dos Contos de Fadas! Nem vou sofrer se estiver errada.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Tempo, tempinho, tempão...

Ainda ouço algumas palavras, ainda vejo alguns olhares, ainda busco algum alento. Parece até uma nova obsessão, mais uma tortura p/minha coleção.

Espera! Ainda há tempo...
Rápido! O tempo está passando...
Deixa para lá! Não dá mais tempo...

Tem aquela música do Titãs que fala que "é cedo ou tarde demais pra dizer adeus, pra dizer jamais". Tempo  e dúvida, sempre de mãos dadas!

É muita busca e pouca procura. São muitas dúvidas e poucas perguntas. Muitos pensamentos e poucas horas de sono, de descanso, de paz... Tem dias que penso tanto que parece que vou sair voando. Quanto mais a noite cai, mais pensamentos, dúvidas e sonhos invadem meu travesseiro. E lá se vai o meu descanso, embebido na última potência da inquietude...

Minha vida não cabe nos meus dias, minha tristeza não cabe nas minhas lágrimas e nem minha alegria nos meus sorrisos.

Minha coragem se perdeu na timidez covarde que me paralisa, meus caminhos ficaram presos numa paisagem sem estradas.

sábado, 1 de setembro de 2012

Sai de mim!

Que inferno é esse que nos prende?
Não importa o quanto as coisas mudem, os problemas continuam. As mesmas raivas repetidas.
Quer saber?! Tem dias que acho que será assim para todo o sempre.
Pequenos acontecimentos me tiram do sério. Estava tudo maravilhosamente bem, até eu sentir que querem me controlar. Odeio isso! Não gosto de ficar dando satisfação, preciso sentir que estou livre.
Tudo que tende a me prender, me faz afastar. Sim, minha lógica é contrária. 
Só fico em paz quando posso ser eu. E não consigo ser eu quando faço o que querem que eu faça.
Não me obrigue a nada. Não nasci com disponibilidade para ser mandada. 
Estou totalmente nervosa e cansada de tanta hipocrisia. 
Já tem algum tempo que não sei quem sou exatamente.
Preciso urgente de voltar a cuidar de mim!
Esse negócio de estar sempre disponível não é bom para ninguém. E confesso que não estou, e nem era para eu estar. Mas essa sensação de que eu estou errada me incomoda profundamente. Me incomoda ter incorporado algo que não é bom e que me faz mal. E mais, sei que só piora se fico deixando de lado.
Que saco!
Preciso de distração e diversão, não cobranças.
Já me cobro bem mais do que devia, não preciso que me lembrem de mais nada. 
A verdade é que devia ser lembrada em outros momentos, resta saber agora se o erro que causa essa confusão é meu ou de quem está (ou não) lembrando de mim. 

(Sim, também tem aqueles que não lembram nem por um decreto, mas esse assunto fica para outro texto.)

domingo, 19 de agosto de 2012

Hein!?!

Sonhei outra vez com aquela mesma história. Não me lembro se estava acordada ou dormindo, mas sei que sonhei. Tentei até verificar as possibilidades de não estar sonhando... realmente não estava acontecendo. 

Já contei que quando não tenho o que falar, penso em te ligar? Ou penso em te ligar mesmo quando não tenho o que falar? Sei. lá, quem sabe você não tem um assunto interessante pra gente conversar?

Penso em ligar mas não ligo. Penso tanto que até sonho. Sonho tanto que não ligo, não vivo. Deixo de ligar para sonhar que te ligo. E, quer saber? Acho que você nem liga se eu ligo ou sonho ou nada disso... 

Assim, a vida continua sempre a mesma. E eu vou me acostumando a ser a mesma mesmo quando, por dentro, tudo parece diferente. Tem dias que acho que mudei mesmo foi só por fora, tem coisa aqui dentro
que parece que será sempre igual.

No fundo, me vejo a mesma diferente de sempre. Aquela que de tanto se distanciar do comum, fica normal demais para ser diferente. Ou aquela que de tanto assumir sua normalidade, se aproxima da originalidade... 

Ah, quer saber!?! Tanto faz... eu continuo sem te ligar. (Ou não.)

domingo, 24 de junho de 2012

Start

Não precisa dizer nada. Eu já sei o que aconteceu! Trocamos de lado e continuamos opostos. Para as coisas se encontrarem é preciso que apenas uma parte se mova. Mas temos uma mania estranha de nunca parar. Aí desencontramos sempre... 

Todo dia acordo e fico pensando em tudo que ainda não aconteceu, quando vou dormir meus pensamentos ainda continuam lá. Não sou a única que quer uma chance de fazer as coisas darem certo. Não conheço ninguém que viva com o propósito de fazer tudo dar errado. 

Quanto mais velhos ficamos, maior se torna a necessidade do sucesso. Parece que o tempo vai acabar sem que tenhamos feito nada. O difícil é identificar quando mudamos de fase. Na maioria das vezes achamos que já é "game over". 

O jogo só acaba quando a vida termina. Enquanto há vida, há chances de jogar... Pode ser que tenhamos a chance de jogar a mesma fase várias vezes, mas com armas e obstáculos diferentes. 

Está aí a graça de não saber exatamente o que nos espera. A qualquer momento tudo pode mudar ou voltar a ser o que era antes mais uma vez.

domingo, 17 de junho de 2012

De malas prontas

Estou me segurando para não revelar o que todo mundo já sabe. Preciso de um pouco mais de tempo para ter a certeza de que isso não é só um palpite do acaso.

Minha cabeça fica a mil, presa sempre nas mesmas questões. Todas as noites fecho os olhos e rapidinho chego no futuro. Aquele futuro prometido e tão esperado.

Os personagens, confusos se perdem , vão e voltam sem avisar. As falas ensaiadas são sempre as mesmas, as vozes que as proferem é que mudam com frequência.

Minha intenção é de deixar que as falas sejam diferentes, mas ditas sempre pela mesma voz. Acho que pode dar certo.

Ensaiar uma nova peça inspirada nos pensamentos recorrentes será a nova terapia.

Até o dia da estréia estarei segura. Se tudo correr bem, saio da periferia da ficção e vou viver o resto dos meus dias na Ilha da Realidade.

domingo, 6 de maio de 2012

Quem quer ser feliz? Eu! Eu quem!?!

Tenho 2 "eus" dentro de mim. Um é bem sensato, sabe muito bem o que é bom para o bem comum, conhece o "Guia do Politicamente Correto" como ninguém e vive me cobrando posturas melhores. O outro é mais radical, quase que "do mal", quer que eu defenda sempre meu ponto de vista, que lute pelos meus direitos, que eu seja eu sempre, custe o que custar. 

O primeiro me propõe uma felicidade dentro do padrão normal da sociedade, sem exageros e sem me esquecer do próximo, uma felicidade quase artificial. O segundo é adepto de uma felicidade livre e sem obrigações, me dá até o direito de ficar triste e brigar vez ou outra. Obviamente, me interesso pela segunda oferta. Mas o preço é muito alto e é pago à vista, no "cash". O primeiro oferece vantagens, tem desconto, parcela, dá brindes e até manda amostras sem que eu peça. 

A  verdade todos nós sabemos, se a vida facilitar demais, na morte pagaremos os juros com as as devidas correções. 

Então porque é tão difícil ser você mesmo? 
Porque você tem que assumir as consequências! E, nem sempre, estamos preparados para pagar esse preço diante de todos. Sabe quando tem uma coisa que você quer muito e pagaria qualquer valor por aquilo, mas não teria coragem de contar que pagou tão caro por algo ás vezes fútil, ás vezes ridículo ou que simplesmente não vale tanto? Então, é assim.  Na maioria das vezes, o que nos paraliza é o olhar do outro, o que vão pensar. E só de imaginar uma reprovação, lá está você, colocando de volta na prateleira aquele cofrinho de porco dourado ou a calça xadrez ou o curso de beleza ou o ingresso para o show do Belo... 

Nós vivemos em sociedade mas isso não quer dizer que a minha vida tem que ser vivida como minha mãe, meu pai, minha irmã ou minha amiga considera o ideal para mim. Pedir opinião, tudo bem. Ficar preso no que os outros esperam de mim, não me leva a lugar nenhum.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Apenas mais um desabafo...

Sabe porque eu me sinto assim? 

Porque é tentando acertar que eu só erro, é tentando agradar que eu só desagrado, é tentando vencer que eu sou derrotada, é tentando rir que eu só choro, é tentando amar que eu só odeio, é tentando fugir que eu me prendo, é tentando acordar que eu caio no sono profundo, é tentando enriquecer que eu vou à falência, é tentando ser feliz que a infelicidade me carrega nos braços, é tentando viver que eu morro a cada segundo que se passa. Não quero mais que me entendam. Só quero um pouquinho de sossego. 

Eu não sou a vítima da minha história, a questão é que (ainda) não sou santa o suficiente para sofrer sozinha. 

São muitos caminhos para pouco chão. 

Se meu grito de socorro recebe pedras como resposta, talvez seja melhor me calar. Se minha lágrima recebe a distância como resposta, talvez seja melhor não ficar muito perto.

Queria que a vida viesse com um manual....

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Feliz Aniversário!

Como pode alguém mudar tanto e, no fundo, continuar igual?

Talvez seja realmente possível deixar o tempo nos aperfeiçoar, viver cada coisa no seu momento, como tem que ser...

Durante muito tempo tentei me reaproximar e nas muitas vezes que disquei o número do seu telefone deixei que a covardia tomasse conta de mim... Na verdade não era covardia não, era orgulho. Tinha medo de  ouvir o que não queria. Me privei de muita coisa para não sair machucada por ninguém, no fim, percebi que perdi os melhores momentos da minha vida por medo de me expor. E, de repente, você vem me dizer que fez exatamente o contrário!

Mais uma vez você saiu na frente. Não digo isso com desdém nem inveja. Você é assim, sabe se entregar aos sentimentos de forma verdadeira, mergulha na vida mesmo quando o frio desanima a maioria.

Se tivesse que te descrever, acho que diria que você é essencialmente bom. E não estou falando de bom no sentido de mediano, mas no mais profundo significado de bondade. Não que seja perfeito, mas por ser verdadeiro nas suas imperfeições. 

Olhando de relance para você, vemos uma figura, no mínimo, esquisita, um estranho convicto, um desajeitado qualquer. Olhando sem muito cuidado é bem capaz que nos deixemos levar pelo que está por fora, seu conjunto costuma agradar aos olhos... Olhando sem pressa e com a atenção necessária para saber quem é você, é perigoso, não há coração que resista ao charme encantador de um chato realista. Você consegue levar seu mal humor com graça e leveza, é gentil sem ser bobo, sensível sem ser gay, divertido sem ser babaca, inteligente sem ser arrogante, implicante mas carinhoso e educado sempre (um Príncipe da vida real)...

Obrigado por me ouvir, por ser tão amável, por acreditar em mim e, principalmente, por continuar sendo você! Agradeço a Deus todos os dias por ter permitido esse reencontro.

Bom, falei bem mais do que devia e fui muito mais melosa do que costumo ser normalmente mas acho que, dessa vez, não ficou nada para trás.

(Só para constar: esse não é o primeiro texto para você aqui... um dia te conto quais são os outros.)

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Pode acreditar...

Feche os olhos e durma bem. O sonho está só começando e tudo ainda pode acontecer. A vida te fez sofrer mas ainda há tempo para as recompensas. Terá a chance de escolher o que quer dessa vez, e , o melhor, depois que sua escolha for feita ninguém vai poder mudar nada do que foi escrito. A sua palavra bastará. 

O que passou será enterrado, ficará no passado e eu garanto: não voltará nunca mais. Dessa vez não são apenas promessas de dias melhores... Esse é o futuro, ele enfim chegou! Prometa que não vai ter medo. 

Desejo a você coragem sem limites, confiança suficiente para não se abater e amor sempre! 

Ah, pode entrar, deixei a porta aberta!

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Sem planos

Penso bem mais do que deveria.
A todo momento lembro do que deveria esquecer.
Esse jeito estranho que te torna permanente em mim.
Tanto tempo e tantas coisas se passaram e dentro de mim parece tudo igual.
As lembranças e a saudade continuam intactas.
Espero um sinal do céu para saber se chegou a hora de voltar no tempo.
Acabo esquecendo que tudo só acontece
depois que damos o primeiro passo.
Sonhar com o impossível não é exatamente a maneira mais inteligente de colocar as coisas no seu devido lugar.
No meus sonhos tenho a segurança de controlar
até o grau de um possível sofrimento.
Na vida real vou ter que dar conta do inesperado.
Não sei se consigo.

terça-feira, 27 de março de 2012

Só mais 5 minutinhos...

Não mais me comovo. Não mais quero me comover... Nem sempre a gente quer melhorar, nem sempre o "politicamente correto" é o melhor em todos os momentos.

 Estou me acostumando com a vida (não a viver...), apesar de achar que as coisas não darão tão certo quanto gostaria.

Com frequência penso que isso poderia acabar logo. Não vejo muito propósito na dor que dói por doer. 

Queria que minhas dores incomodassem a ponto de me fazerem prosseguir. Não tem sido assim... Quando menos espero, já me acostumei com ela de novo e aí acabo guardando com todo cuidado o que precisa ser descartado.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Caí no poço... quem me tira?

Me vejo presa em esperanças fantasiosas. Não existe luz no fim do meu túnel, mas insisto em ver vagalumes imaginários ao meu redor. Não existe nada real a que eu possa me agarrar. Estou numa queda livre e meu fim se dará destro de um poço desconhecido. Só rezo para cair no final de um arco-íris e assim, encontrar meu tesouro perdido. Será que a vida é feita só de batalhas e sofrimentos? Enquanto caímos, é possível apreciar a paisagem? Meu fim, meu recomeço, meu desespero... Na lama barrenta da vida, mergulho meu corpo: mais uma casca que precisa se esconder para sobreviver.

sábado, 10 de março de 2012

Vermelho

Alegria súbita,
olhos fixos,
barulho e sujeira.
Por onde seus pés têm andado?
Onde é que a vida acontece para você?
Os anos passam e as coisas continuam a se misturar.
Tristeza repentina,
olhos que brilham,
música e bagunça.
Nem todas as tecnologias nem o acaso são capazes de trazer para perto
o que é para ficar longe.
Renasce e continua morrendo.
Cheiro de perigo.
Alerta vermelho.
Vermelho de Pare, de Sangue, de Coração, de Morte, de Vida,
de Raiva, de Timidez, vermelho de Paixão.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Chove chuva, chove sem parar...

Permiti que as coisas que se passam dentro de mim tomassem forma no papel, os traços de grafite representavam os rabiscos do meu coração. Vi tudo jogado naquela mesa e ao reler o que escrevi, tive medo de ser entendida, de ter sido clara a ponto de não deixar dúvidas. 

Queria ser racional para falar de sentimentos. Queria, antes de escrever, saber o que pensa. Covarde! Mais uma vez me escondendo. Que deficiência é essa que me impede de prosseguir, de superar, de me perdoar?

O que sinto independe do sentimento alheio. Não estou condicionada a gostar de quem gosta de mim ou gostar na mesma medida que o outro. Não existe uniformidade quando se trata de sentimentos. Talvez não exista nem certeza. Mas, se a certeza não te acompanha, também não quer dizer que ela não exista... 

A dúvida é hóspede constante da razão. Ela age, ora como defesa, ora como covardia. Quem duvida se protege da chuva e, por vezes, perde a graça de se molhar.

Sofra, mas viva. Quando se molhar, sorria.

A verdade gosta de  brincar de esconde esconde, aparece quando a coragem está presente e some quando o medo nos invade.

Para que tanta sombrinha se o que queremos de verdade é uma oportunidade para lavar a alma?

terça-feira, 6 de março de 2012

Cobramos do outro o que não temos para oferecer....

- Ainda temos tempo?
- Eu não sei... 
- Se pudesse escolher, ficaria ou iria embora?
- Eu não sei...
- Porque nunca me diz o que está pensando? Ou, porque não pensa numa resposta antes de responder que não sabe?
- Porque o que penso agora pode não ser o mesmo que pensarei amanhã, daí amanhã você vai me cobrar atitudes que condigam com a minha resposta de hoje, mas eu já estarei com outra posição.
- Que loucura é essa? Você é bipolar? Só pode... não quer se comprometer né!?! Quer ser feliz descartando as cobranças... 
- Eu não consigo pensar como você. Não dependo tanto de certezas.
- Como não? E se, de repente, uma má notícia aparecer no seu caminho? Vai se apegar a que?
- E se você na sua certeza se deparar com uma boa notícia? Vai se apegar a que?
- Sempre estamos prontos para boas notícias...
- Não acho...
- Prefere as tragédias?
- Não necessariamente. Só não sei lidar com um turbilhão de coisas dentro de mim.
- Um turbilhão do bem ou do mal?
- Nenhum dos dois. E você?
- Estou sempre a espera dos milagres... Enquanto vivo as coisas ruins, espero dias melhores, se estou em dias bons, espero o impossível.
- E isso é ser feliz?
- Não sei.
- Como não sabe? Acabou de me cobrar respostas concretas e não sabe me dizer o que é ser feliz para você?
- Fiz perguntas simples... Para compreender a felicidade precisamos lançar mão de muita filosofia...
- As perguntas que me fez, podem até ser simples, mas a resposta delas me levariam até a felicidade. Por isso não sei responder...
- Sendo assim, melhor deixar tudo isso pra lá, o que acha?
- Pode ser, você prefere ficar aqui ou partir de uma vez?
- Não sei...

segunda-feira, 5 de março de 2012

You know I believe and how...

No fundo você sabe que não precisa desse perfume importado.
O que te falta é coragem e não uma fragrância cara.
Você também sabe que não tem tanta necessidade de emagrecer.
O que te sobra de verdade é covardia e não quilinhos a mais.
Não é o celular de última geração, nem internet, nem carro que vai te levar a ser feliz.
Talvez já tenha ouvido dizer que felicidade não se compra...
Por mais que procure, não vai encontrá-la em  nenhuma loja física nem virtual.
Então, pare de tentar se esconder atrás de tanta futilidade.
Gaste mais seu tempo do que seu dinheiro.
Respire mais a sua vida e volte a ser você.
A vida é uma só e ela tem te dado muitas oportunidades, mas você precisa se abrir para as coisas darem certo.
Deixe o medo do ridículo e do fracasso de lado e se arrisque, se exponha.
Se o planejado não acontecer, vire a página!
Todo esse tempo que esteve planejando só serviu para fazer você encontrar desculpas para não seguir em frente.
Se as coisas passaram e você não viveu nos momentos certos, reconcilie-se com seu passado.
O tempo está a seu favor e lá em cima tem Alguém que olha por você.
Você não está só, nunca esteve...
Não permita que seus olhos se fechem sem antes ter contemplado a real beleza da lua e das estrelas brilhantes.
Tudo pode acontecer...
As melhores coisas do mundo aparecem quando menos esperamos.
Esteja de pé para recebê-las, abra seus braços para vivê-las.
Sorria! Você não tem nada a perder.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

(Viver)

Queria chegar lá... e cheguei, mas aí vi que precisava de mais tempo.
Quero ficar por lá. Conhecer, respirar, viver... só por uns tempos...
Largar tudo soa como falta de responsabilidade, mas, e se o "tudo" for NADA?
Não que seja realmente nada... nada que importe.
O que importa de verdade não se perde no tempo. Posso ir e voltar, tudo continuará no lugar.
Sim, estou fugindo!
Não sei lidar com isso. Nunca quis estar aqui. Nada saiu como o planejado.
Quero sumir! E quem sabe, um dia, voltar com a cabeça no lugar...
Não existe preparo para isso, existe?
Esgotei as possibilidades e minhas esperanças dizem que agora, só um milagre...
Não é uma questão de arrependimento, não ainda.
É uma questão de coragem.
Fazer o que se quer fazer, dizer o que precisa ser dito. Sair do mundo da fantasia e dar o primeiro passo.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Experimentei a Felicidade Plena

Você já sonhou com alguém que já faz muito tempo que não vê?
Nesse sonho, você se sentia feliz por estar perto dessa pessoa?
Essa pessoa, durante o seu sonho, sorriu para você?

Não sei nem o que estou tentando explicar, mas como pode?
Como pode alguém que, talvez, nem lembre que você exista trazer tanta paz durante seu sono?
Como pode você não querer mais acordar só para passar o resto da vida naquele momento?

Foi como se tivesse provado um pouquinho do Paraíso.

Imagino que o Paraíso seja assim: uma paz profunda, uma alegria latente que transborda em um sorriso permanente e uma imagem tão agradável aos olhos que fica impossível até de piscar.

Não sei porque essa lembrança é sempre tão real, tão profunda. 

As pessoas que passam por nossas vidas, sempre nos deixam algo... mas essa é diferente. Sempre me deixa mais quando está longe. Sempre me surpreende quando estou sozinha com meu inconsciente distraído.

Vai ser sempre parte de mim. Assim, desse jeito que sempre foi.
Acho que não preciso de mais do que isso... (poderia acabar estragando meu Paraíso Perfeito)

Você é bem mais do que pode imaginar. Deveria se conhecer melhor...

Foi só mais um sonho, não foi o primeiro e espero que nunca tenha o último.

Foi só um sorriso.

O Sorriso!

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Vá longe de mim

Quando você vê uma pessoa um dia e passa o resto da semana lembrando dela, acho aceitável... é uma forma de carinho.

Quando você percebe que não pára de pensar nessa pessoa, alguma coisa vai mal... por dois simples motivos: o primeiro é que você, provavelmente, está perdendo tempo com imaginações fantasiosas, o segundo é que, se você está pensando tanto e há tanto tempo, é sinal de que essa pessoa não te procura com frequência... Diagnosticar esse sintoma é um processo dolorido. Ter medo de tentar mudar essa situação é ainda mais dolorido. Medo do sim e medo do não, de errar e de acertar. Podemos trocar a palavra medo por orgulho. Sim, orgulho barato, não ter coragem de mostrar o que sente ou de falar o que gostaria ou de dar aquele abraço que ficou perdido no tempo.

Quando já faz anos que você não vê uma pessoa e repentinamente começa a pensar nela, das duas uma: ou vocês tiveram uma história bacana, que, talvez valha a pena ser retomada ou você é louco. Se fica pensando em alguém que nunca lhe foi próximo, procure um psicólogo, está obsessivo.  Essa situação não é nem um pouco confortável e muito menos saudável para nenhum dos lados... A tendência é você pensar em alguém que, em 99% dos casos, nunca pensará em você e mesmo assim você cria aquela expectativa de "um dia quem sabe"... Não se iluda. Não importa quem você é, onde mora ou que carro tem. Se a pessoa ainda não te notou ou não te dá a mínima, saia dessa. Procure ler um livro, ver um filme ou, que sabe, conhecer novas pessoas (preferencialmente pessoas que poderiam se interessar por você).

Vamos parar de ficar perdendo tempo com o que não vale a pena. Imaginar situações impossíveis não vai fazer delas situações reais.

Cada um tem o direito de tentar o que quiser e tem o dever de tomar seu Simancol em dia. Tornar-se inconveniente e desagradável é um risco que nem sempre é necessário correr. Portanto se a pessoa não te dá brechas, se não te procura, se não te responde, ela simplesmente não te quer. 

Da próxima vez, faça uma oração fervorosa e sincera ao seu cupido, explique que quer gostar de alguém que goste de você também. 

Ao persistirem os sintomas, um médico deverá ser consultado.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Eu tenho algum problema...

Me cobram repostas, justificativas, explicações. Querem uma racionalização de emoções e sentimentos. 

Não posso fazer isso. Acho que nem se fizesse terapia conseguiria.

Um emaranhado de lembranças censuram qualquer tipo de aproximação.

Se eu errar mais uma vez, não me perdoarão.

Eu só queria (re) viver tudo... tirar todo peso das palavras e viver sem maiores preocupações.

Apesar de ser tudo diferente, ainda é tudo igual. Acredito que é possível. 

Posso me despir de mim e deixar a porta aberta.

Não sou bem o que pareço. Por dentro são apenas cacos.

Entre e conserte o que for necessário.

Faria isso por mim?

 (Eu faria por você...)

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Pede pra Sair!

Estou na contramão dos meus planos.
Achei que já estaria colhendo as glórias do sucesso, mas não!
Mais uma vez, preciso parar e me preparar para o recomeço. 
Como é dolorido depender de algo tão impalpável.
Não me canso de pensar em como seria se tivesse nascido em um berço diferente, quantos sofrimentos seriam minimizados.
Voltemos ao agora. O momento em que eu não gostaria de estar vivendo.
Já repararam como as áreas da nossa vida seguem estradas diferentes?
Amigos, saúde, trabalho, dinheiro, família... Cada coisa andando com sua própria perna.
Será que é impossível estar bem de verdade?
Não são lamentações, não me vejo como vítima da situação em que me encontro...
Pelo contrário, agradeço pelos amigos que tanto cuidam de mim. 
Só que, neste momento, gostaria de estar ajudando e não de estar sendo ajudada.
Tenho me preparado tanto para a parte boa que me esqueci que nem tudo sai como planejado...

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

2 anos de namoro

Um frio na barriga toma conta desta data. Nem sei por onde começar, talvez para você é só mais um dia, só entenderá quando passar pelo mesmo.
Tivemos alguns poucos pesares, nada que nos impossibilite de dizer que foi perfeito.
Cada movimento, desde o primeiro momento, nos levou a essa dança. Nada foi ensaiado, apenas acreditamos que poderia dar certo. E deu! E foi melhor do que poderíamos imaginar.
Podem nos levar tudo, menos nossas lembranças. 
Daqui a alguns anos, se me perguntarem, tenho certeza de que faria tudo de novo. Não, eu não sou nem estou maluca. Apenas tive uma decisão acertada.
Não importa o quanto duvidaram, se preocuparam, debocharam... 
Aprendi que tem vezes em que é preciso fazer o que você acha melhor, e tem vezes que isso sai muito melhor do que a encomenda.
Obrigada por estar ao meu lado!